Fechando o verão

circulo--dardos--dardos--sucesso_3303075A promessa de vida no nosso coração às vezes vem travestida com o nome de outra pessoa. E, assim como nos identificamos automaticamente com uma canção, também podemos pensar que aquela pessoa é simplesmente aquilo que nos faltava. E essa mania doida de achar que o que falta sempre está do lado de fora e em terreno de difícil acesso… O amor atende por muitos nomes e bem pode ser o dela. Como vivemos sem manuais nesse campo do saber, não dá para saber quando acertamos o alvo. Mas dá para saber quando somos o alvo. E então nos deixamos invadir por dardos e dardos certeiros e no final da brincadeira estamos furados de fora a fora, sem condição alguma de novos jogos. Acredito que ninguém goste dessa sensação horrível de ter-se deixado abater como um alvo fácil. É bem verdade que às vezes nos ampliamos como alvo e fica complicado não enxergar nossos desejos. Deixamo-nos surpreender e o resto da história já sabemos de cor.

O que essa situação também desencadeia é que, paradoxalmente, ela acaba nos fazendo bem, de tempos em tempos. As coisas mornas esfriam e o que é frio nem sempre ajuda quando o assunto é amor. O arrebatamento causado por aqueles olhos verdes pode ser útil no sentido de fazer valer o dia, a semana, o mês, às vezes uma vida inteira. Quem não sentiu isso não vai entender nada do que estou dizendo. Mas essa postagem é direcionada para quem foi alvo e isso foi a coisa mais importante do ano até agora. Que bom que o ano começou. Começou rasgando, sendo vivo, intenso, como algumas pessoas tanto gostam. Eu também prefiro viver num campo em que dardos são constantemente atirados. Que triste seria a vida sem esse jogo de tentativa-e-erro. O erro, aqui, é tentar desviar-se. Então se empape todo de sangue, meu amigo. É preciso ser profundo num mundo em que a maioria é rasa, vazia e tem pavor até de acertar. Que venha março.

Anúncios

Autor: Fabio Scorsolini-Comin

Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP). Atuo como professor universitário e, nas horas vagas ou não, tenho como companheira a literatura. Este blog se destina a interessados em literatura, Psicologia, comportamento e toda sorte de assuntos que rendam uma boa conversa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s