Parem o mundo que eu quero desenhar

paraiso-a-direita-inferno-a-esquerda-8fdb9De repente tudo parece estar polarizado e essa ambivalência entre esquerda e direita parece muito mais do que uma troca de mãos para realizar as atividades do dia a dia. Por causa da mão com que cada um escreve escorre uma infinidade de diagnósticos, xingamentos e qualidades, de modo que ser de um lado ou de outro tanto faz. Tudo muito primitivo, primário, como aprender a segurar um lápis. Essa luta me cansa profundamente. Por isso não tenho redes sociais e evito perder amigos de infância, pois a polaridade da vida passa, mas não a separação quase sistemática entre bem e mal, quem está dentro e quem está fora, quem é vilão e quem é herói, essa parece não ter fim. Está na categoria do “para sempre”. Somos dualistas porque ser plural é muito mais complexo.

Já se foi a época de brigar e perder amigos. Porque na hora de pedir uma mãozinha, ninguém olha se o amigo estendeu a mão direita ou a esquerda. E certas discussões, por mais sadias que sejam, acabam sempre naquela do “você gosta de rosa, eu de azul e ninguém tem nada a ver com isso”. O meu azul não vai ser o seu rosa e vice-versa. A vida não foi feita para concordarmos com isso, nem para termos uma ideia única. Precisamos nos suportar. Precisamos sobreviver. E isso tem a ver mais com nossa disposição para conviver com o rosa do outro do que tentar pintar nosso mundo de azul. A sua verdade não vai descer goela abaixo, como quando a gente dá comprimido pro cachorro que não pode escolher se toma ou não o remédio.

Sem essa de ódio. O ódio que vem da direita e o que vem da esquerda acabam doendo sempre no mesmo lugar.

Então coloque a sua bandeira na rua e não tente me fazer segurá-la. Só se eu quiser. Consentido. Como sexo e dinheiro emprestado. Só não vale estampar as suas convicções sem olhar para a parceira ao lado.

Anúncios

Autor: Fabio Scorsolini-Comin

Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP). Atuo como professor universitário e, nas horas vagas ou não, tenho como companheira a literatura. Este blog se destina a interessados em literatura, Psicologia, comportamento e toda sorte de assuntos que rendam uma boa conversa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s