A colisão

Aguardo o dia em que vou te re-ver. Não conto isso a ninguém, nem mesmo à minha terapeuta.

colisao-inelastica
Esta figura, retirada do site “Mundo Educação”, representa uma colisão perfeitamente inelástica.

Na minha cabeça tudo funcionará mais ou menos assim: vou retornar à sua terra porque em fevereiro tudo recomeça. Vou ter vontade de mandar flores e vou me segurar. Vou sentir vontade de te enviar todos os poemas que fiz para você (e que, portanto, são seus), mas vou me segurar. Vou ter vontade de me sentar perto daquele carrossel, mas vou me segurar. Meu bom senso há de me preservar e não darei brechas.

Então, entre uma via parada e outra, margeado pelo corredor de ônibus subutilizado, a única forma de te encontrar vai ser em uma colisão. Você, atrasado e zangado, vai sair do carro querendo encrenca, já virando seu boné para trás. Eu, chorando, vou pedir desculpas antes mesmo de saber quem está com a razão. Vamos nos olhar. Vai dar vontade de virar pra cima e dizer: “Mas justo com você?”. E então nossos olhos vão se lembrar do que aconteceu quando se viram pela primeira vez. Vão fazer um raio X no fundo de cada um. Vão se incendiar de novo. Vão querer fazer amor ali mesmo na rua. Vão querer dar uma festa na casa um do outro. Querer morar junto e construir a casa de tijolo ecológico. Querer ver a cachorra e fazer carinho até ela deixar escorrer o xixi. Vai ter convite pra jantar, mão segurando na mão, bebida pra comemorar e a certeza de que um corpo pertence ao outro, como sempre foi.

Lembro que aprendi isso um dia: após uma colisão perfeitamente inelástica (quem for de humanas, veja a figura), os objetos seguem unidos como se fossem um único corpo com massa igual à soma das massas antes do choque. Escrevo esse desejo por uma colisão perfeitamente inelástica num papel (com a ilustração, obviamente substituindo as esferas pelos nossos corpos) e dobro com esmero. Então te espero como quem aguarda milagres numa fila de fiéis que dá volta no quarteirão. Crente que sou. Apaixonado que continuo. Exatamente assim. 

Anúncios

Autor: Fabio Scorsolini-Comin

Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP). Atuo como professor universitário e, nas horas vagas ou não, tenho como companheira a literatura. Este blog se destina a interessados em literatura, Psicologia, comportamento e toda sorte de assuntos que rendam uma boa conversa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s