A invenção

Faço a contabilidade do amor e lá se vão quase cinco meses, daqui a pouco seis, e quando eu for olhar de vez já se foi um ano. Esses números me chocam. Levo um susto com essa minha paralisia na mesma estória. Penso em tantas coisas que não fiz por conta disso. Nos outros amores que não tive, dos outros casos que não me permiti escrever. Do tema que se repetiu em tudo o que escrevi desde outubro. Ponho no papel o prejuízo e, ainda assim, parece que meu coração vê vantagem nessa forca. Queria correr de mim.

Ainda te aguardo como quem espera milagres na porta da igreja, como quem vai à entidade e lhe cobra: você não disse que ele ia voltar? Vou tomar passe de manhã e peço para que você esteja bem, imagino você ainda dormindo, talvez receba o passe a distância. Rezo em seu nome. Na minha cabeça posso jantar com você hoje. Parar meu carro na vaga da sua amiga, brincar de novo com a cachorra. Talvez esteja tudo bem.

Reformulo, a fim de evitar uma divagação ainda maior nesta crônica: às vezes ele não volta. Às vezes ele não voltará nunca. Essa sentença eu tenho até medo de escrever. Tenho medo da palavra que se cumpre à nossa revelia.

Faço as contas de novo, já me antevendo para daqui seis meses: perdi um ano pensando em você, ditongo decrescente. Essa tristeza eu vou tirar não sei quando. Tento escrever de um modo mais universal esta crônica, a fim de que a minha experiência não seja essa cidade pequena ladeada por fazendas de chão vermelho. Mas me canso das metáforas quadriculadas. Não conseguirei nunca escrever nada mais verdadeiro que Vinícius, em Carta ao Tom:

É, meu amigo, só resta uma certeza,
é preciso acabar com essa tristeza
É preciso inventar de novo o amor.

Talvez seja, mesmo, uma questão de criatividade. Eu te inventei. 

Anúncios

Autor: Fabio Scorsolini-Comin

Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP). Atuo como professor universitário e, nas horas vagas ou não, tenho como companheira a literatura. Este blog se destina a interessados em literatura, Psicologia, comportamento e toda sorte de assuntos que rendam uma boa conversa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s